Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"A Gaiola Dourada"

10.09.13

É o melhor filme português de todos os tempos? Não. Não é sequer um filme português, é francês, sobre Portugal. Então é o melhor filme francês de todos os tempos? Não. Nem era suposto. Mas é uma belíssima homenagem do realizador aos seus pais, emigrantes em Paris. Retrata TODA a emigração? Não. Retrata a vaga de emigração dos anos 60/70. Certamente que quem emigra agora não se reconhece naqueles traços, mas quem emigrou há 30 ou 40 anos acredito que sim, que se reveja. 

Já li por aí que isto continua a fazer com que sejamos vistos como provincianos, bacocos, poucochinhos que não dão para mais do que porteiras ou pedreiros (confesso que fiquei a espumar quando li isto!). Acho que quem pensa assim não esteve com atenção ao filme. Aquilo não pretende denegrir ninguém, bem pelo contrário. Aquilo fala de alma, de saudade, de esforço, de trabalho, de humildade. É ternurento, está bem escrito, tem piadas inteligentes, é comovente... dá para tudo, para rir e para chorar.

Não tenho emigrantes na família, mas reconheço muito dos meus pais e dos meus tios naquelas personagens. A dedicação ao trabalho, o esforço para que nada falte aos filhos, a simplicidade.

Depois tem ali a Rita Blanco, que é uma excelente actriz e que dá coração ao filme. O Joaquim de Almeida menos (confesso: acho-o um canastrão) - enquanto fala francês tudo lhe sai naturalmente; começa a falar português e parece que está a declamar poesia. A Maria Vieira não consegue descolar daquele registo "Herman José" e acaba por parecer que está a fazer uma rábula e não a representar um papel. O próprio do Ruben Alves faz um personagem e, apesar do pouco tempo de actuação, a coisa corre bem.

Para mim, foi uma hora e meia muito bem passada. Não dou o tempo por mal empregue e é daqueles filmes que se instalam facilmente nos nossos corações. Gostei muito!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


12 comentários

De Cantinho da Bê a 11.09.2013 às 18:16

Devo ver entre hoje e amanhã. Já li tanto sobre o filme, que estive cheia de vontade de o ver, depois perdia-a todinha e agora com o teu texto, que me parece bem sensato, vou ver, definitivamente.

De Lénia Rufino a 11.09.2013 às 19:10

Vai de espírito aberto. Aquilo não é nenhuma obra de arte. É um filme simples, sobre pessoas simples. Não é sobre elites nem para "elites". É, acima de tudo, uma hora e meia de boa disposição, um tempo bem passado, com muita ternura pelo meio.

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Para vocês





Follow me!






Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D