Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Limoeiro (a vida que nos acontece) - post longo

26.06.12

A vida encarregou-se de me dar limões. Na verdade, deu-me um gigantesco pomar cheio de limoeiros carregados, com os ramos a dobrar para o chão, tal a quantidade de limões que ali há. Não é fácil. E não acontece só aos outros.

 

Já aqui contei dos violentíssimos enjoos que tenho tido. Também falei da perda de peso abrupta que tive: até agora, quase sete quilos à vida. Associei ao facto de andar a comer pouco, por causa dos enjoos. Mas não é só isso.

 

Sexta-feira passada fomos fazer a ecografia do primeiro trimestre. Ainda na sala de espera disse mais uma vez ao meu marido que acghava que aquilo não ia correr bem, tinha um feeling estranho. Ele, como bom macho que é, disse que aquilo eram coisas da minha cabeça. Já antes da eco eu tinha comentado com algumas amigas que sentia que havia alguma coisa errada com esta gravidez. Tal como comentei que achava que era uma menina. Não me enganei em nenhuma das sensações.

 

Assim que o médico me pôs a sonda na barriga disse que aquilo estava tudo errado, que aquilo não estava bom. Inocentemente, pensei que estivesse a falar do ecógrafo... Mostrou-me a minha placenta, que parece uma videira em Setembro, carregadinha de quistos que parecem uvas. Mostrou-me a bebé e disse que era inacreditável como é que esta bebé continua viva às 13 semanas. Fiquei sem chão. Não percebi...

 

Perguntou-me se eu tinha muitos enjoos, coisa que confirmei. Explicou-me que tem tudo a ver com a degenerescência grave que a placenta tem. Mostrou-me o coração da bebé, que tem um derrame pericárdico, coisa que é provável que faça o coração dela parar (e ele não percebeu como é que isso ainda não tinha acontecido). Mostrou-me a translucência da nuca, super aumentada na minha bebé. Explicou que isto poderá ter a ver com a cardiopatia, uma vez que ela não tem trissomia 21 (há osso nasal bem visível, por isso esta hipótese foi afastada).

 

Mandou-me para o hospital o mais rapidamente possível, para me fazerem mais exames e ser seguida lá. Disse-me, muito friamente (e ainda bem), que este bebé é pouco viável e que o mais certo é termos que interromper a gravidez. Saí dali a chorar. Fugi para um canto, por não querer assustar as outras grávidas que estavam à espera.

 

Fomos logo para o hospital, onde não me fizeram nada por já ser muito tarde. Mandaram-me estar lá na segunda de manhã, para fazer uma consulta de diagnóstico pré-natal e alguns exames adicionais. Vim para casa de rastos, sem saber o que pensar. No sábado fiz o que não se deve fazer: fui à net procurar explicações sobre o meu problema. Estranhamente, fez-me bem. Percebi o que é, porque acontece e quais as implicações futuras.

 

O que eu tenho chama-se Mola Hidatiforme Parcial. E raríssimo, mais propenso a acontecer em mulheres com mais de 40 anos (não confere), com historial clínico de abortos espontâneos (só tive um, não é lá grande historial). O que acontece é um erro de programação na fecundação: o óvulo é fecundado por dois espermatozóides. Obviamente, não é suposto isto acontecer, pelo que o bebé pode ficar com 23 cromossomas da mãe e 46 do pai. A placenta degenera e ganha os tais quistos, coisa que não é nada saudável.

 

Os sintomas disto são... enjoos e vómitos fortes e recorrentes, perdas de peso rápidas e inexplicáveis, prostração, apatia, sono... Ou seja, tudo o que eu tenho, em doses cavalares. Foi bom ter percebido que não eram coisas da minha cabeça, que havia uma explicação lógica para isto.

 

Ontem fui para o hospital às 9h, preparada para um dia passado ali. Fui atendida por uma médica que me disse que, em 23 anos, nunca tinha visto uma mola parcial ao vivo (a mola completa, onde só há formação de placenta mas não de bebé, é mais comum). Fez-me uma ecografia e lá apareceu outra médica que, em 30 anos de profissão, nunca tinha visto uma mola parcial ao vivo. Pediu-me que me despisse para me fazer uma eco com sonda vaginal... porque só esse ecógrafo é que tinha papel e ela queria ficar com as imagens da minha eco para ela... (foi aqui que comecei a sentir-me atracção de circo...).

 

Mandaram-me para o diagnóstico pré-natal, onde me passaram à frente de uma série de grávidas (o caso é mesmo muito grave e urgente...). A médica especialista no disgnóstico fez-me nova eco. Apareceu mais uma médica que, adivinhem... nunca tinha visto uma mola parcial ao vivo. E mais um médico, menos impressionável mas super atencioso, que me explicou os passos a dar de seguida. Fizeram-me uma biópsia à placenta (tiraram-me, a frio, dois pedaços da placenta - não doeu nada, vá-se lá entender...). Agora há que analisar o tecido e perceber se a bebé tem alterações cromossomáticas. Se tiver, não há volta a dar e vou ter que interromper a gravidez. Se não tiver, tem que se analisar a cardiopatia e ver se é tratável ou não. Enfim... estou rodeada de pontos de interrogação por todo o lado.

 

No meio disto tudo, encontrei-me. Sinto-me novamente eu, sem depressões. Parece que o facto de ter encontrado explicação para o que me andava a consumir foi o suficiente para me voltar a centrar. Estou triste, obviamente, mas estou conformada e serena. Sei que o que tiver que ser, será. E sei que a vida e Deus não nos dão nada com que não consigamos lidar...

 

Agora... é esperar por respostas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


66 comentários

De patricia a 26.06.2012 às 12:50

Como és forte Lénia! Obrigada pela partilha, obrigada por existires e seres essa força da natureza.

envio-te todo o meu carinho e respeito.

Abraço-te

pat

De Pimpolha a 26.06.2012 às 12:56

Um forte abraço, do tamanho do mundo e 1000 beijinhos de carinho.
Nos somos mais fortes do que aquilo que pensamos.

Muita força.

De Anónimo a 26.06.2012 às 13:05

Bem... Li tudinho e fiquei super triste com a tua situação... Nunca tinha lido o teu blog e entrar e dar de caras c estas situação desconhecendo a tua pessoa é uma sensação de incapacidade. Não te conheço claro mas acima de tudo não conheço a tua maneira de lidar c as situações.. mas plo que li só posso depreender que és forte.. que vais fazer o melhor pra ti e pra tua família (a dois ou a três).
Espero do fundo do coração que tudo se resolva!
Um beijinho e um abraço.
Vi

De Analog girl a 26.06.2012 às 13:14

Incrível. E realmente andavas aí com essa sensação estranha a perseguir-te, nem parecias tu...
Que tudo corra pelo melhor. Estou tão arrepiada com esta situação toda, o meu coração está contigo.
Beijinhos grandes*

De ana a 26.06.2012 às 13:15

Sem palavras mas com força para te transmitir. É nestas alturas, das grandes provações, que se vêem as grandes pessoas. Não há grandes conselhos para estas alturas, há sim o desejo de que ultrapassem isso juntos, tu e o teu marido e a vossa família, e que continues a conseguir buscar a tua/vossa serenidade.

Um grande beijinho

De prlinpinpin a 26.06.2012 às 13:23

Um grande e apertado abraço,
São tão complicadas, mas tãos complicadas estas situações para as nossas cabeças. Espero que a situação se resolva o melhor possivel...
A espera é terrivel... (sei bem...).
Nem sei bem o que te diga, porque quando vivi uma situação desse tipo (malformação adenomatóide quistica pulmunar) com o meu bébe mais novo, nada que me pudessem dizer aliviava, por isso, mando-te o meu mais sincero abraço.

De J* a 26.06.2012 às 13:50

Uma mãe sabe sempre quando se passa algo de errado. Acredito que o timming e a sensibilidade dos médicos não tenha sido a melhor (e eu aí fincava o pé para que eles percebessem que não era a altura certa para exigir espectáculo e que tu ainda tinhas a capacidade de autorizar ou não a recolha de imagens para a posterioridade e reputação médica da senhora doutora).

Gabo-te a serenidade perante um momento tão emocional. Tudo se vai resolver*

Abraço,
J*

De Kaf a 26.06.2012 às 13:50

Venho cá com frequência... geralmente não faço comentários. Mas desta vez, como mãe-que-quer-voltar-a-ser fiquei de coração apertado.
O que se pode dizer... que tudo corra pelo melhor, seja ele qual for.
Beijinhos

De Filipa a 26.06.2012 às 13:51

Um abraço forte e apertado! :( Espero que tenhas muita força para lidar com tudo isto e se precisares de qualquer coisa, já sabes: usa e abusa do meu email ou telefone.

Beijo enorme!

De Manuela a 26.06.2012 às 13:51

Lamento imenso toda esta situação. Espero que corra tudo pelo melhor, tenho a certeza que vai ter a força necessária para saber lidar com esta fase terrível.

Comentar post


Pág. 1/7




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Para vocês





Follow me!






Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D