Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Erros

15.12.11
Premissa: toda a gente erra.

Todos, a não ser que sejamos a Madre Teresa de Calcutá (anyone? Não? Bem me parecia), tendemos a olhar mais para o nosso umbigo do que para o que o rodeia. Ou seja: vemos o nosso lado da história antes de qualquer outro lado. Olhamos a vida da nossa perspectiva e pormos os pés nos sapatos alheios não é tarefa fácil nem que ocorra muitas vezes. E, nisto, acontece repetirmos erros que apontámos a outras pessoas quando elas os cometeram. Mas agora, que somos nós a cometê-los, não somos capazes de os perceber e muito menos de os assumir.

Um exemplo: tive alturas, em namoros idos (coisas quase do milénio passado) em que, assim que a coisa se dava, eu morria para o mundo. Deixava de estar com os meus amigos, deixava de ter disponibilidade para programas de amigas, telefonava muito menos. É normal e expectável. Não quer dizer que seja correcto. Demorei muito tempo a perceber a dimensão do meu erro. Afastei-me das minhas melhores amigas e na altura nem me apercebi, entretida que andava com o meu umbigo (e com o do namorado, já agora). Bati com os pés na terra, não quando elas me chamaram a atenção para o facto (porque aí tive sempre justificação e resposta e mil maneiras de explicar o que se andava a passar, mas assumir a verdade... não), mas apenas quando a relação terminou e eu percebi que, agora que estava numa dança a solo, estava, na verdade, sozinha. Elas, com razão, tinham ido à vida delas. Não deixaram de ser minhas amigas, mas deixaram de estar lá todos os dias. Não, na verdade, não deixaram. Eu é que deixei de as procurar e comecei a achar que elas não estavam lá. Mas estavam. E eu aprendi com o erro. No dia do meu casamento, lembro-me perfeitamente de me terem pedido que não me afastasse e de eu ter respondido que não ia voltar a cometer aquele erro.

Hoje, casada e com filhos, os programas com amigas são muito mais raros, cortesia da falta de tempo e do excesso de tarefas. Mas, curiosamente, sinto-me muito mais próxima delas agora do que noutras alturas. Estamos perto, é fácil combinar qualquer coisa, nem que seja um cafézinho rápido. Tenho, acima de tudo, disponibilidade mental para isso: sei que me apetece estar com elas, sei que elas fazem parte da minha vida e sei que consigo arranjar meia hora para pôr a conversa em dia.

Mas é por já ter estado do outro lado, cega e só com olhos para o namorado da altura (e com trabalho e o resto da vida a correr) que me custa que, quem já me apontou (e bem!) o dedo agora faça a mesma asneira que eu fiz e ande longe. E custa-me essencialmente porque sei que há-de haver um dia em que a ficha cai e a pessoa se apercebe do tempo que perdeu. A amizade não desaparece nem se transforma (porque essa é a espinha dorsal das amizades verdadeiras). Mas as saudades magoam. E é isso que sinto: saudades das minhas amigas que, engolidas pelo vórtice da paixão e do trabalho e tudo o mais, delegaram para último plano a amizade que sabem que está lá para o que der e vier.


[Resumindo: tenho saudades tuas, miúda. Volta!]


Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De mari a 17.12.2011 às 12:26

tãooooo verdade ... é que os amigos estão lá ... quando o trabalho falha, quando o namoro acaba ...
era bom que todos o soubéssemos valorizar :)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Para vocês





Follow me!






Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D