Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Reposting

29.11.11
Um dia acordas e percebes que já não tens idade para dar conta de cada passo que dás. Percebes que podes viver sem ter que pedir dinheiro aos teus pais. Percebes que se calhar investes numa casa e vais viver sozinha. Depois compras a casa e de repente passas a ter uma corda no pescoço em forma de prestação. Mesmo assim, agarras em ti duas vezes por mês e metes-te no Ikea, onde gastas o que tens e o que não tens mas ficas com uma casa cada vez mais gira. Descobres entretanto que não tens que ficar com o namorado do liceu só porque sim e passas a ter uns casos aqui e ali, nada de preocupante, tudo um bocado inconsequente. E percebes que ninguém se chateia com isso, nem mesmo tu, que antes só acreditavas em amores para toda a vida. Entretanto cresces mais um bocado e aparece-te um homem que, não sendo aquilo com que sempre sonhaste, é o único que te faz ficar sem te lembrares de respirar. E isso muda-te. E tu mudas com isso. E de repente deixas de ser a miúda que vai a todo o lado, que sai para onde lhe apetece e que faz o que lhe dá na telha. E passas a ser uma pessoa responsável, que cumpre regras. Entretanto casas - ou não - e tens filhos - ou não. E depois há um dia em que acordas e achas que tens outra vez 20 anos, desatas a sair, desatas a reaver amizades antigas e percebes que não tens que deixar de ser tu mesma para viver com mais de 20 anos. E aprendes que só és feliz se fores quem és. Aprendes que a primeira pessoa com quem tens que te preocupar é contigo mesma e que só quando souberes estar bem sozinha estarás bem com os outros. Descobres que nada dura para sempre, a não ser a tua relação contigo. Deixas-te de merdas e passas a fazer e a dizer o que realmente pensas. Paras de fazer fretes sociais e só estás onde te sentes bem. Paras de fazer o que esperam de ti e deixas de te preocupar com o que os outros pensam. Percebes que não estás cá para sempre e resolves viver. Passas a aproveitar cada dia, cada momento. E se te apetece dançar no meio da rua, danças. Se te apetece cantar alto, cantas. Se te apetece passar um dia inteiro na cama, passas. Se te apetece andar de baloiço, andas. E vives. E de repente dás pela tua própria respiração. Sentes a tua pulsação. Percebes que tens um coração a bater-te no peito e isso é o que mais importa. Quando esse dia chegar, não o deixes fugir. Será o primeiro dia do resto da tua vida.

[21.abr.2010]

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

De AL77 a 29.11.2011 às 13:03

Já te acompanho há uns meses mas só hoje comento.

Podia ler este post todos os dias, e não me fartar nunca!! Adorei cada etapa, revi-me em algumas e espero chegar brevemente a outras.

Bem haja Marianne, pelo post, pelo blog, por seres assim: sincera, simples, inspiradora!

Beijinhos

De Vera a 29.11.2011 às 14:06

Lembro-me de ler este post na primeira vez que o escreveste. Gostei dele na altura como agora.

Como a AL77, também me revi em algumas etapas.

Gosto tanto de te ler! :)

Beijinho

De Rosa Cueca a 29.11.2011 às 14:23

Vivemos bem ao fazermos o que nos dá na gana, mas vivemos ainda melhor se soubermos que há coisas mais importantes que fazer x no momento y só porque sim.
Não deixamos de ter responsabilidades e também temos de nos lembrar delas.
Fala a adepta de estar-se nas tintas para os outros :)

De Ana a 29.11.2011 às 15:03

Concordo que não devemos viver a pensar no que os outros pensam. Corresponder a expectativas não é viver, é vender-se.
Mas, por outro lado, não vivemos numa ilha. Viver também não é atropelar os outros, apenas porque me dá na gana isto ou aquilo.
Sou adepta do equilíbrio e da máxima "não faças aos outros aquilo que não queres que te façam a ti".
E, sim, acredito que há amor e que se não for eterno, nem chega a sê-lo. Não é uma questão de longo prazo, mas sim de amar a cada dia. Todos os dias somados, dão o eterno a que aspiramos. Dá é trabalho, porque pressupõe que nos desprendamos do ego. Mas vale tanto a pena...! Mesmo que sejamos atropelados pelo egoísmo dos outros, vale mesmo, mesmo a pena!

De Jo a 29.11.2011 às 19:50

Lembro-me de ler este post quando o publicaste pela 1ª vez. E gostei muito de o reler :)

De Maria a 29.11.2011 às 20:19

Boa noite... espero que não se zangue mas coloquei o link no meu blog...!
:)

De Geri a 29.11.2011 às 22:31

E é por textos como este que, cada vez mais, gosto de passar por aqui!

De Cláudia a 29.11.2011 às 23:13

ser fiel a si mesmo e ao nosso momento nem que isso implique trair a nós mesmos dali a dias.

De Mariah a 30.11.2011 às 10:11

Foi um prazer ler este post.

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Para vocês





Follow me!






Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D