Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Portugal dos pobrezinhos

31.07.13

Acho que já todos esbarrámos com o infeliz (to say the least) comentário de uma das herdeiras do império Espírito Santo no Expresso. Diz ela que passar férias na Comporta é como "brincar aos pobrezinhos".

 

Tenho para mim que o grande, enorme problema deste país é o facto de haver uma certa elite de endinheirados que tem vivido toda a vida à custa dos pobrezinhos. Esta gente, onde certamente se inclui esta pessoa que proferiu a idiotice supracitada, não faz ideia do que é viver neste país. Saberão com certeza o que é viver nas Quintas Patiño da vida, onde certamente não faltará nada (a não ser neurónios, em gente como a tal senhora). Mas não sabem o que é ter que viver à sombra das desgraças. Não sabem o que é viver a ver sempre o fundo à carteira, todos os dias, sempre, sempre, sempre. Não sabem o que é ter que fazer contas para ver em que cortar naqueles meses ainda mais apertados: o seguro do carro, o IMI, o material escolar. Não sabem o que é chegar a dia 20 com dez ou quize euros na conta - e só receber a 30. Esta gente vive lá fechada nos seus palacetes, frequenta as festas de outros endinheirados como eles, vivem numa bolha irreal e tão, mas tão desfasada da realidade do país do qual são cidadãos.

 

E eu gostava mesmo de ver esta senhora Cristina (que nem sequer nome de rica tem, benzádeus!) a brincar a sério aos pobrezinhos. A ter que contar cêntimos. A ter que comer menos para que nada falte aos filhos. A usar roupa com remendos, ou doada, ou recolhida na igreja. A não ir a lado nenhum por ter a gasolina do depósito à justa para ir levar os filhos à escola todos os dias, até ao fim do mês. A ir de férias para um parque de campismo qualquer, com a tenda emprestada pela cunhada. A não poder dar uma prenda (sim, eu sei, os ricos dizem "presente") de aniversário aos filhos. A não poder convidar pais, sogros, irmãos ou amigos para jantar porque isso representa um rombo incomportável no orçamento. Não fazem ideia do que é viver com uma corda na garganta, corda essa que, de 1 a 31, se aperta cada vez mais, até ao próximo salário, único dia do mês em que se pode respirar de alívio (mas só até se fazerem contas novamente e se perceber que, mais uma vez, não se vai conseguir poupar dez euros que sejam).


E também gostava que nós, os pobrezinhos, pudéssemos um dia brincar aos ricos. Invadir o palacete da sôdona Cristina e passar lá a tarde, o dia, o ano. Usufruir da piscina, da despensa, das milhas no cartão da TAP. Gostava que pudéssemos todos ser accionistas daquele império, para que pudéssemos por uma vez que fosse, viver em vez de apenas sobreviver.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

De Analog girl a 31.07.2013 às 19:00

Subscrevo inteiramente. Esse comentário foi tão despropositado que nem há palavras para descrever a revolta e a mágoa que desperta. É que é mágoa mesmo. E eu sei que até consigo fazer férias no estrangeiro e ter alguns gastos extra, mas não sem antes largar o meu sangue suor e lágrimas no emprego todos os dias, não sem poupar meses a fio e depois no regresso ter de começar tudo outra vez, e continuar a adiar os filhos porque não consigo fazer tudo de uma vez. Enfim... Não há palavras. E tu disseste tudo.

De Olinda a 01.08.2013 às 10:52

Eu sou uma jovem daquelas que tem adiado a vida constantemente por causa da conjuntura de merd*** que se vive. Contudo, na minha vida profissional, tenho estado em contacto com pessoas que vivem com muito mais dificuldade que eu.
Esta sôdona Cristina podia experimentar um dia na vida da empregada que vem limpar o escritório onde trabalho: que ganha o ordenado mínimo e depois das 5h ainda vai limpar casas. Ou de um ajudante de oficina que depois das 5h vai vender lenha. Ou do motorista, que trabalha por turnos, divorciado e com dois filhos a cargo. Ou da esposa de um pastor a quem a filha faleceu numa inundação. Ou do senhor com 63 e a 4º ano de escolaridade a que não dão a reforma e é obrigado a ir para o Centro de Formação. Tanta história...

De Dondoca da Pesada a 01.08.2013 às 10:55

Não diria melhor. Eu quando passava férias na Comporta era sim como se brincasse aos ricos, hoje em dia vou e volto e já me dou por muito satisfeita :)

De Mati a 01.08.2013 às 11:42

Texto muito bom. Mas a verdade é que ser pobre é uma m....

De Jo a 01.08.2013 às 12:31

Diz agora a senhora que a frase foi tirada do contexto. Ok, acredito. Nem sequer me dei ao trabalho de ler a entrevista portanto não faço a mais pequena ideia o que é que ela disse para além disto. E atenção que eu até só contra coisas descontextualizadas, frases tiradas de um discurso com o único objectivo de vender mais, de criar polémica, de gerar comentários... Mas de facto não vejo nem um contexto onde esta frase, proferida pela tal senhora, pudesse soar bem. Ou menos mal. Ou ser desculpável. A única coisa que vejo é que realmente o dinheiro não compra tudo.

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog  








Para vocês





Partners







WOOK - www.wook.pt












Eu e os Livros

2013 Reading Challenge

2013 Reading Challenge
Lénia has read 2 books toward a goal of 30 books.
hide

Follow me!






Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D