Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Portugal dos pobrezinhos

31.07.13

Acho que já todos esbarrámos com o infeliz (to say the least) comentário de uma das herdeiras do império Espírito Santo no Expresso. Diz ela que passar férias na Comporta é como "brincar aos pobrezinhos".

 

Tenho para mim que o grande, enorme problema deste país é o facto de haver uma certa elite de endinheirados que tem vivido toda a vida à custa dos pobrezinhos. Esta gente, onde certamente se inclui esta pessoa que proferiu a idiotice supracitada, não faz ideia do que é viver neste país. Saberão com certeza o que é viver nas Quintas Patiño da vida, onde certamente não faltará nada (a não ser neurónios, em gente como a tal senhora). Mas não sabem o que é ter que viver à sombra das desgraças. Não sabem o que é viver a ver sempre o fundo à carteira, todos os dias, sempre, sempre, sempre. Não sabem o que é ter que fazer contas para ver em que cortar naqueles meses ainda mais apertados: o seguro do carro, o IMI, o material escolar. Não sabem o que é chegar a dia 20 com dez ou quize euros na conta - e só receber a 30. Esta gente vive lá fechada nos seus palacetes, frequenta as festas de outros endinheirados como eles, vivem numa bolha irreal e tão, mas tão desfasada da realidade do país do qual são cidadãos.

 

E eu gostava mesmo de ver esta senhora Cristina (que nem sequer nome de rica tem, benzádeus!) a brincar a sério aos pobrezinhos. A ter que contar cêntimos. A ter que comer menos para que nada falte aos filhos. A usar roupa com remendos, ou doada, ou recolhida na igreja. A não ir a lado nenhum por ter a gasolina do depósito à justa para ir levar os filhos à escola todos os dias, até ao fim do mês. A ir de férias para um parque de campismo qualquer, com a tenda emprestada pela cunhada. A não poder dar uma prenda (sim, eu sei, os ricos dizem "presente") de aniversário aos filhos. A não poder convidar pais, sogros, irmãos ou amigos para jantar porque isso representa um rombo incomportável no orçamento. Não fazem ideia do que é viver com uma corda na garganta, corda essa que, de 1 a 31, se aperta cada vez mais, até ao próximo salário, único dia do mês em que se pode respirar de alívio (mas só até se fazerem contas novamente e se perceber que, mais uma vez, não se vai conseguir poupar dez euros que sejam).


E também gostava que nós, os pobrezinhos, pudéssemos um dia brincar aos ricos. Invadir o palacete da sôdona Cristina e passar lá a tarde, o dia, o ano. Usufruir da piscina, da despensa, das milhas no cartão da TAP. Gostava que pudéssemos todos ser accionistas daquele império, para que pudéssemos por uma vez que fosse, viver em vez de apenas sobreviver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Se caíres ainda apanhas por cima!"

25.07.13

Deixem ver se percebi: arrasa-se a economia com impostos e taxas e afins, tira-se poder de compra às famílias e no fim a culpa da crise é das famílias, que gastaram menos do que era previsto pelo Estado...

Portanto, martelaram-nos o juízo e disseram-nos que a crise se devia a nós, que andámos a viver acima das nossas possibilidades (portanto, a comprar o que podíamos e o que não podíamos pagar) e agora que andamos a viver dentro das nossas possibilidades (ou seja, a comprar pouquíssimo porque não há dinheiro para mais) a culpa da crise ser ainda mais forte também é nossa?... 'Tá certo... (Perdeu uma óptima oportunidade para estar calado, parece-me...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Maravilhas tecnológicas

25.07.13

Sou uma lontra assumida e isso não é novidade. Portanto, sou doutorada em tudo quanto seja auxilar da deslontrice. De há uns meses a esta parte tenho experimentado muuuuitas apps de controlo de peso/dieta. Ontem esbarrei numa app que era exactamente o que eu precisava. Calcula a minha necessidade calórica diária, de acordo com as minhas características e com o meu objectivo e diz-me quantas calorias devo ingerir em cada refeição e qual a distribuição delas entre carboidratos, proteínas e gorduras. Depois é só ir inserindo o que vou comendo e aquilo vai fazendo contas. Maravilha. Estou fã!

 

A versão para Android está aqui (grátis e fácil de pôr a trabalhar, como se quer). Sei que também há para iPhone, mas isso é tecnologia que desconheço...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Os melhores livros...

23.07.13

... para mim, são os que me dão vontade de escrever. Não acontece muito com os meus policiais, que não me puxam para aí (mas sim para pensar, para ligar coisas improváveis e para procurar "Wallys" pela trama fora). Acontece-me muito com romances-dos-meus. Eu não leio xaropadas românticas tipo "rich boy meets poor girls yadayadayada". Não me atrai, não me puxa. Os romances que leio tendem a ser densos, muitos deles são mais prosa poética do que outra coisa. E sei que são mesmo bons quando, assim que leio a última página e os fecho, me apetece sentar-me a escrever. Aconteceu-me ontem quando terminei o livro da Catarina. Não é um romance, mas está tão bem escrito que me deu aquela urgência de voltar às palavras-a-sério. (Era demasiado tarde e não voltei). Era isto: Catarina, apeteces-me escrever!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Catarina, a doce

23.07.13

 

Conheci a Catarina por causa dos blogs. Não sei precisar quem chegou primeiro a que blog, se eu ao dela, se ela ao meu. Não importa. Foi em 2005. Conversávamos, trocávamos opiniões e um dia passámos à tangência e fomos, com outra amiga comum e o seu bebé de 10 meses na altura (quase 9 anos agora... ouch!), almoçar sushi na Baixa. Selou-se a amizade. A Catarina é doce. Se eu só pudesse dizer uma coisa acerca dela seria isto: ela é doce. Apesar da vida, apesar das perdas, apesar dos insucessos, apesar do que correu menos bem, apesar de tudo. Doce. Não deixa que o lado negro se apodere da luz e brilha. É daquelas pessoas que, no caos, é o espelho da serenidade. Ao pé da Catarina nada corre mal. A vida é sempre um regato manso e morno, onde gastamos horas sem pensar em mais nada.

A Catarina, mulher de palavras, escreveu um livro onde reune crónicas do seu blog (e não só). E se eu sou um bocado avessa a isto de editar blogs em livro, com o livro da Catarina deixei de lado esta minha mariquice. Na sexta-feira foi o lançamento. Peguei na minha filha ("nora" dela, embora o filho dela não saiba nem queira saber) e fomos ver a Catarina brilhar. Ri, emocionei-me, abracei-a, matei saudades, revi caras conhecidas, e no fim, já na rua, chorei. Chorei quando vi a dedicatória que escreveu no meu exemplar. Porque o livro é dela, o dia era dela, mas ela escreveu para mim. E eu chorei.

 

[À noite, senhor marido - que não lê um livro há anos, nem sente falta nem liga nenhuma - pegou no livro dela e leu-o. Todo. E riu e emocionou-se e ficou feliz, como eu também fiquei, por ver ali materializado um bocadinho da nossa Catarina. Um bocadinho que, como ela, só podia ser assim. Doce.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lego party

22.07.13

No sábado fomos à festa do 1º aniversário das Lego Friends em Portugal. Um jardim simpático e acolhedor, um grupo relativamente pequeno, muitos miúdos, muitos legos, muitos bolos e pipocas e sumos... (A decoração estava linda!)

 

No meio de uma mão cheia de vips-com-filhos-pequenos, a doçura do anonimato: eu e mais umas quantas fellow-bloggers, a pôr a conversa em dia. Miss Pólo Norte, Miss Rita Ferro Alvim e Miss Sofia-biberons-e-batons. Todas giras, loiras, simpáticas... assim vale a pena sair de casa, caraças!

Os meus miúdos adoraram a festa. Ela andou nas pinturas faciais e em brincadeiras com outras meninas... e ficou em êxtase quando percebeu que aquelas duas meninas com quem andava a brincar eram a Matilde e a Manon, filhas da Maria Vasconcelos, que ela ouve milhentas vezes nas nossas viagens de carro. Ele fartou-se de brincar com Legos... e no fim, quando lhe dissemos que era hora de vir embora, desatou a arrumar as peças para dentro da caixa... (Tão arrumadinho! Sai ao pai...!)

 

Obrigada à Paula e à Lego pelo convite. Adorámos!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Long time no see...

22.07.13

Eu sei, eu sei... ando desaparecida...

Temos ido à praia. Temos passeado. Temos brincado. Eu tenho feito caminhadas a sério. Temos aproveitado este parco Verão que nos coube em sorte este ano. Não tenho escrito. Tenho lido. Senti, pela primeira vez, uma quebra brutal nas rotinas, quebra essa que me baralhou, que me desorientou e que me fez ficar meio perdida. Só voltarei ao meu ritmo normal quando o ano novo começar - e isto, para mim, significa Setembro. Até lá, vamos assim... em velocidade cruzeiro, sem sobressaltos... (E ando mais pelo Facebook do que por aqui).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Livros no Porto

12.07.13

Gente do Porto e arredores: este ano não há Feira do Livro por aí mas isso não quer dizer que não haja livros para vocês...

 

Hoje abre o LETRAS NA AVENIDA que vai estar até ao dia 28 de Julho na avenida mais emblemática da cidade, a Avenida dos Aliados. Serão 17 dias de livros, música, teatro, cinema e inúmeras actividades - vamos ter até retratos bibliográficos! - que vão agitar a cidade diariamente!
Apenas uma breve apresentação oficial:
"A Avenida dos Aliados vai voltar a animar-se culturalmente, através da festa dos livros e de outras formas de expressão artística, em particular 'performances' poéticas e música. A iniciativa, denominada 'Letras na Avenida', realiza-se de 12 a 28 de julho.

Letras na Avenida é uma organização da Câmara Municipal do Porto, através do Pelouro do Conhecimento e Coesão Social e da PortoLazer, em parceria com a produtora cultural Cultureprint, crl.. Tem por objetivo promover, difundir e democratizar o livro e a leitura, bem como fomentar os hábitos de consumo de produtos culturais, além de dinamizar a Baixa do Porto.

A iniciativa conta com a participação de cerca de uma centena de entidades, destacando-se as livrarias de grande tradição do Porto, como a Lello Editores, Imprensa Nacional Casa da Moeda, ou a livraria alfarrabista Moreira da Costa, a mais antiga da invicta, e outras mais recentes como a Poetria, ou a Book House. Adicionalmente, participarão no evento instituições como o Bairro dos Livros, a Universidade do Porto, o Instituto Piaget, o Cineclube, o Inatel, entre outras.

Para além do catálogo geral de cada livraria, mais de 50 editoras estarão com estas livrarias em exposição, entre as quais Relógio d' Água, Gradiva, Clube do Autor, Publicações Europa América, Edicare, Estampa, Lidel e Cinemateca.

Podem saber mais aqui: http://letrasnaavenida.cm-porto.pt/#sthash.5FyIqkqm.dpuf


Vão, divirtam-se, desfrutem, aproveitem!! Se eu pudesse acreditem que estava lá batida!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Baralhar e dar de novo

08.07.13

Com a miúda de férias e com planos diferentes para a o início do meu ano (que acontece em Setembro), decidi dar uma volta ao mesmo esquema de exercício físico. Perguntei no ginásio se me deixavam trocar as aulas de grupo pelo estúdio de cardio, durante este mês (em agosto aquilo fecha e nem grupo nem cardio). Disseram-me que sim, que podia - são queridos! Lá fui eu para as máquinas (já tinha feito musculação... há uns 18 anos, mas fui passando para as aeróbicas da vida e deixei-me de maquinaria pesada). Fiz 10 minutos de passadeira (só a andar), 10 de bicicleta (e aqui já eu suava as etopinhas!), 10 de elíptica e 5 de remo. Estava eu ali a puxar pelo remo quando comecei a sentir o estômago às voltas... tive que parar. O instrutor foi ajudar outra aluna e eu... desapareci! Fui disparada para a rua vomitar tudo o que tinha bebido durante o treino. Lá veio o instrutor atrás de mim, para ver o que se passava. Fiquei por aqui, por hoje. O meu organismo levou um choque de tal ordem que reagiu assim. E eu, que achava que andava a puxar muito por mim nas aulas de grupo, percebi que tenho andado a brincar ao desporto. Suei como não me lembro de ter suado alguma vez na vida. Desci para o balneário e continuei a suar... a pingar. Depois, duche e uma banana comida já no carro. Amanhã, mais do mesmo. Vou fazer cardio até ao fim do mês. Depois, em Agosto, andarei entre corridas/caminhadas na rua e zumba em casa (coisa que também fiz no sábado, com a companhia da infanta, que achou o máximo estar ali a dançar a meias com a televisão!). Em Setembro, logo que vê como organizo a coisa...

 

[E amanhã começa a nossa época balnear!]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Overnightquê?

05.07.13

Overnight Oats. Um pequeno-almoço saudável, saboroso, adaptado ao gosto de cada um, cheio de nutrientes, altamente viciante...

Então a receita disto é... não há receita! Vale tudo! Bom, quer dizer, oats são flocos de aveia, portanto a ideia é que ande por lá disto. O que eu costumo fazer é agarrar no meu frasco de meio litro e pôr no fundo meio iogurte (às vezes líquido, outras vezes sólido), depois ponho uma colher de sopa bem cheia de sementes de linhaça trituradas (ajuda a pôr o intestino a funcionar, mas as sementes têm mesmo que estar trituradas, porque se estiverem inteiras o organismo não as processa e não fazem nada), uma colher de sopa de sementes de chia e misturo bem este nível, para que as sementes fiquem molhadas. Depois ponho uma camada de fruta. O que houver e me apetecer. Se uso fruta ácida/amarga (tipo kiwi) ponho um fio de mel. Depois ponho duas colheres de sopa de flocos de cevada e duas de aveia. Ponho o resto do iogurte, ponho outra fruta (se uso maçã ou banana também ponho canela, por exemplo). No fim de tudo cubro com leite e ajeito de maneira a que o leite chegue à aveia e à cevada. Fecho o frasco, ponho no frigorífico e, na manhã seguinte, tiro, aqueço um bocadinho no micro (só para tirar aquela "frialdade" toda, que eu não sou grande fã de cenas geladas) e como. E no fim fico sempre a achar que comia outra dose daquilo, na boa. 

E porque é que se faz isto pondo no frigorífico de um dia para o outro? Para "cozer" os flocos de aveia. Isto é uma alternativa fresca às papas de aveia tradicionais. Permite milhões de combinações, permite adaptar ao gosto de cada um, permite variar e comer todos os dias coisas diferentes. E é saudável e muito saciante e... estou viciada, pronto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Num ano...

03.07.13

... arrumámos as cabeças, arrumámos as nossas vidas, confirmámos decisões, conformámo-nos com o que nos aconteceu, aceitámos e seguimos em frente. Um ano depois de perdermos aquele bebé que queríamos muito, continuamos certos da nossa decisão: não queremos ter mais filhos, estamos bem assim, somos felizes, temos a família que sempre quisemos ter. Estávamos preparados para o terceiro bebé, mas agora estamos bem assim. A logística vai-se descomplicando, as finanças não ajudam e já encerrámos o assunto.

Ontem, quando me lembrei de que era dia 2 e de que, há um ano àquela hora, estava no hospital já no recobro, chorei. Acontece-me de vez em quando. Acho que é normal. Mas não vivo a pensar nisto, não trago uma mágoa imensa no coração, não fiquei presa ao que de mau nos aconteceu. Chorei, como choro de vez em quando, se me lembro do meu avô. Saudade, acho. E, de vez em quando, olho para os bebés que tenho à minha volta e que têm agora mais ou menos a idade que aquele bebé teria, e penso nos "ses". Mas sei que foi assim porque teve que ser. E sei que, no fim, ficámos todos bem. "Podia ter sido pior" é um pensamento muito português, mas é verdade. Eu recuperei, nós não fomos afectados enquanto casal, a minha filha já ultrapassou o assunto e não pede mais irmãos nem fala nisto. Lembra-se de que foi visitar-me ao hospital, mas não fala no que eu estava lá a fazer. Para mim, isso é o mais importante. A natureza não foi nossa amiga. Ou talvez tenha sido...
Estamos bem. Estamos aqui, a quatro, sempre de mãos dadas, felizes neste nosso núcleo que alimentamos e ao qual pertencemos sem reservas. Um ano depois, estamos serenos e continuamos a aceitar o que a vida tem para nos dar. E somos gratos pelo bem que nos vai acontecendo, pelas coisas boas que temos, pelos momentos felizes. O resto faz parte mas não nos define.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Juicy Detox

03.07.13

Depois de ter passado o fim-de-semana imersa em açúcar senti que estava MESMO a precisar de um detox que me pusesse o organismo de volta aos eixos. Foi ontem. Passei o dia a sumos e batidos. Fui fotografando e pondo no Instagram, mas prometi que hoje fazia aqui um apanhado dos cinco sumos e batidos que fiz, com as receitas a acompanhar. Posto isto...

Para começar bem o dia, um sumo verde. Uma mão cheia de espinafres, uma banana pequena, uma maçã pequena, três ameixas vermelhas sem casca, 250ml de água. Tudo triturado durante 1 minuto, velocidade 10, na Bimby. Rendeu dois copos destes, que bebi de seguida. Não coei o sumo, portanto todos os nutrientes estavam intactos. E não, não sabe a sopa, nem sequer se sente o sabor dos espinafres. Nesta combinação, o sabor que domina é o da banana. Bebi este sumo às 9h e aguentei sem fome até às 12h. A seguir ao sumo bebi o meu café matinal - tenho mesmo que beber, sob pena de andar cheia de dores de cabeça...
A meio da manhã, um batido. Uma banana pequena, morangos (não os contei) e 250ml de leite sem lactose. Tudo triturado 1 minutos, velocidade 10, na Bimby. Bebi isto cerca de uma hora antes do treino do dia (uma aula de Body Pump) e aguentei-me sem fome, sem fraquezas e sem tonturas. No final da aula, ainda no estacionamento do ginásio, comi um triângulo de queijo light (muito bem mastigadinho), para não catabolizar.
Para o almoço, aditivei o sumo. Fiz com um kiwi, uma banana pequena, uma pêra Williams, bagas de goji, linhaça e chia (tudo a olho) e 250ml de água. Rendeu dois copos. Bebi isto cerca das 14h30. Bebi um café a seguir.
Às 16h45, antes de sair com a miúda para a natação, lanchei este batido. 250ml de leite magro sem lactose, 9 morangos e uma mão de framboesas. Foi o único batido a que juntei adoçante (umas gotas, apenas). Também rendeu dois copos, que me aguentaram sem fome até à hora de jantar (quer dizer, quando chegámos a casa, por volta das 19h30, comi um triângulo de queijo light, porque sabia que ainda faltavam umas duas horas até jantarmos e não quis estar tanto tempo de estômago vazio). No ginásio, enquanto a miúda nadava, bebi o terceiro e último café do dia.
Último sumo do dia: meia papaia, um pêssego e uma pêra, com 300ml de água (a papaia era grande e o sumo ficou muito grosso só com 250ml de água, por isso acrescentei mais um bocadinho). Rendeu dois copos e meio, bebidos enquanto o resto da minha gente se deliciava com bacalhau com natas. Jantámos às 21h. Deitei-me às 23h30, sem fome. Havia a hipótese de fazer mais um batido, para beber antes de me deitar, mas não foi preciso.
Resumindo: mantive-me sem fome durante o dia inteiro. Não senti ansiedade nenhuma. Não houve tonturas, nem dores de cabeça, nem fraquezas nem nada. Fiz a minha vida normal e aguentei-me lindamente. Senti-me saciada e com energia. O café, para mim, é imprescindível. Fico cheia de dores de cabeça se não bebo um até meio da manhã. A partir daí, fico bem. Só que já sei que, se não beber mais nenhum, passo o dia a bocejar... Portanto, a minha média é de 3 cafés por dia. É raríssimo beber mais e se bebo menos... sono!

Sobre as minhas receitas: não têm ciência nenhuma. Misturo frutas de que gosto e que tenha em casa. A olho, a gosto, como calha. Já sei que a quantidade de água/leite que junto faz uns sumos/batidos espessos, como gosto. E a quantidade é a ideal para mim: fico muito bem com dois copos.
Última nota: não faço isto por sistema. Faço quando me sinto mesmo intoxicada, que foi o caso depois do baptizado. E a razão por que não se deve fazer isto muito amiúde (não mais do que uma vez por mês ou apenas quando é mesmo necessário) é a seguinte: a fruta está carregadinha de açúcar. E uma dose de açúcar destas é coisa para sobrecarregar o pâncreas. Ora, nós não queremos isso! Portanto há que saber dosear e recorrer a isto só muito de vez em quando, com juízo. O objectivo não é perder peso de repente (até porque há ali fruta altamente calórica, pelo que a perca de peso é irrisória ou até mesmo inexistente); o objectivo é mesmo limpar o organismo de toxinas e pô-lo a funcionar em pleno novamente. (Mas, confesso, hoje acordei menos inchada e a balança acusou o toque...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

(...)

02.07.13

Há um ano...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Eu vou!

02.07.13

É já no domingo que a Família Barrigas & Companhia se junta no Parque dos Poetas, em Oeiras.

Vejam aqui o programão: http://issuu.com/get-white/docs/programa_2013

Sim... é isso tudo! E o mais giro é que uma família vai sair de lá com uma viagem à Disneyland Paris: 4 pessoas, 3 dias/2 noites, com pequeno-almoço e entradas para os dois Parques Disney para a totalidade da estadia e com voos incluídos com o parceiro aéreo TAP. A sério... o que é que poderia ser melhor??? Venham! Vai ser giroooooo!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do bolo

02.07.13

Fiz o já tradicional Red Velvet com recheio de creamcheese. Estava mesmo muito bom (não é mérito meu, é mérito da receita mesmo!). Achei que ia demorar umas cinco horas a decorá-lo, mas nem duas demorei. Fiz uma coisa muito simples, sem me pôr a inventar. Toda a gente gostou, que é o que importa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Da Pavlova

02.07.13

Andava há que tempos com vontade de fazer uma Pavlova... sou super-gulosa, já se sabe! Aventurei-me e correu assim...

Segui mais ou menos a receita da Lorraine Pascale, mas aumentei a dose.
6 claras, 345gr de açúcar em pó, sumo de um limão. Comecei por pulverizar o açúcar, juntei o sumo do limão e depois uma clara. Bati com a Bimby com borboleta, 1min/vel4. Fui juntando as claras uma a uma e batendo três minutos entre cada adição. Depois forrei o meu tabuleiro de pizza com papel vegetal e pus o creme lá em cima. Só que espalhei aquilo demais... e no forno aquilo ainda alastrou mais... e acabei por servir a Pavlova no prato da pizza (lição número um: não espalhar demasiado a massa!). Cozeu durante 1h15, a 140º. Deixei arrefecer no forno, com um bocadinho da porta aberta. Até aqui, foi tudo feito de véspera. Depois, no dia seguinte, bati dois pacotes de natas em chantilly (juntei duas saquetas de Chatillyfix e duas de açúcar baunilhado), espalhei por cima da pavlova assim mais ou menos a olhómetro. Depois atirei com os frutos vermelhos lá para cima, sem ciência nenhuma. Foi o primeiro doce a desaparecer e foi o único que não sobrou para ser distribuido pelas casas dos convidados...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do baptizado

02.07.13

Sábado foram dezoito horas em pé, a cozinhar. Fiz tudo o que podia fazer antecipadamente e só deixei as finalizações para o dia B. Deitei-me às 4h, para me levantar às 8h... Claro que estava de rastos, mas paciência. No domingo acordámos, despachámo-nos calmamente, tudo sem stresses nem correrias. Na igreja, o pimpolho portou-se como um homenzinho (a sério, surpreendeu-me! Ele é um bocado ousado nas reacções que vai tendo e estava mesmo à espera que ele dissesse um disparate qualquer daqueles a que achamos muita graça em casa mas que, perante um padre, não têm gracinha nenhuma...). Foi tudo calmo, muito bonito mesmo.
Viemos para casa, para o almoço... e toda a gente mudou de roupa! Bem, quase! Mas quem estava de saltos e roupinha pipi desfardou-se e vestiu coisas práticas e confortáveis - e eu adoro isto, este à vontade e esta total falta de cagança! Fui para a igreja montada nuns saltos de 12cm, mas assim que cheguei a casa pus-me de sandálias raras, calções e top. Há lá coisa melhor??

Vamos à ementa: bacalhau com natas, que só faltou gratinar no dia. Pavlova. Mousse de Oreos. Bolo de baptizado. (Estes fui eu que fiz). Pão de ló com fruta, tarte de frutos vermelhos, tarte de coco, tarte de amêndoa, cortesia dos convidados. Sangria (muita!). Estava tudo tão bom...!!

Portanto almoçámos e depois, enquanto uns jogaram às cartas, outros dormitaram espalhados pelo sofá e pelas camas. Foi tudo deliciosamente simples, sem complicações: um convívio de família normalíssimo, mas que me deixou ainda com mais pena de nenhum dos meus filhos fazer anos no verão! Festas nesta altura são outra loiça! Estou a pensar seriamente em passar a comemorar os anos-e-meio deles! Assim, em vez de juntar aqui a família em Dezembro e Janeiro, passo a juntá-la em Junho e Julho! Não é muito mais fixe? Eu cá acho que sim!!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

Pesquisar no Blog  








Para vocês





Partners







WOOK - www.wook.pt












Eu e os Livros

2013 Reading Challenge

2013 Reading Challenge
Lénia has read 2 books toward a goal of 30 books.
hide

Follow me!






Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D