Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Filmes #26

24.01.13

 "Silver Linings Playbook", David O. Russell, 2012

 

Não gostei. Ia com as expectativas muito lá em cima e não correspondeu mesmo nada ao que eu esperava. Atentem: não é um filme mau. Mas não é daqueles filmes que me faz sair do cinema com vontade de ir comprar bilhete para a sessão seguinte e ver o filme novamente. Não mesmo. Bradley Cooper? Giro, sim senhor (mas teria contratado o Gosling, sem dúvida!). Percebo a nomeação porque faz um papelão. Também percebo a nomeação da Jennifer Lawrence, que faz outro papelão. Mas acho que, juntos, não fazem do filme mais do que um filme ok para um sábado à tarde.

Quero muito ler o livro, para ver se a minha opinião sobre a história melhora. E quero muito ir ao cinema novamente para tirar este sabor amargo que me ficou. 5/10.

 

"Moonrise Kingdom", Wes Anderson, 2012
Mais uma desilusão. O filme enquanto obra de arte está irrepreensível: a fotografia e a realização são excelentes, os actores idem. Mais parece uma ilustração muito bem feita. Todo o ambiente é muito bem conseguido. Mas achei demasiado rígido. Acho que o que ficou a perder mesmo foi a história, que acabou refém da obra de arte. Tive pena, confesso. 5/10.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Quem diz a verdade...

24.01.13

Ontem, à entrada dos Armazéns do Chiado, cruzámo-nos (eu e o mini) com um senhor que puxava com garra e força... escarretas (e depois cuspia, mas agora não vem ao caso). Nós a passarmos e o homem a fazer aquilo sem parcimónia. Mini gajo olha uma vez, olha duas e diz, alto e bom som:

 

- Olha, mamã, um pôco... faz cruush cruush... é um pôco!

 

[Gargalhei. Mesmo. Não me contive!...]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Fresh (re)start

23.01.13

Ando a sentir-me meio... encurralada. Não gosto. Sinto que ando a desperdiçar a minha criatividade. Apetece-me fazer coisas giras. Sair da bolha. Inovar. Conhecer. Sair do marasmo. E já sei o perigo que sou quando me sinto assim...

 

Há bocado abri os meus armários e pus-me a olhar. Não consigo pensar fora da caixa. Carradas de roupa que a) já não me serve, b) não está nas melhores condições, c) não sei como usar, d) já não gosto, e) é de verão e eu estou farta do inverno - nunca hão-de ouvir-me queixar do verão, mas do inverno, oh, sim!

 

Precisava de desbloquear a minha veia anti-moda, anti-roupa, anti-embalagem. Precisava de um par de olhos exteriores que olhasse para esta tralha toda e me dissesse assim: isto vai para o lixo, isto vai para alterar, isto usas com aquilo. Precisava, all in all, que me saísse o euromilhões para pagar a quem me fizesse esta triagem fria e distante. É que eu acabo por criar uma relação de dependência com a minha roupa. É raro deitar coisas fora (só mesmo se estiverem em MUITO mau estado; se não estiverem continuo a usar, nem que seja por baixo de outras coisas). É raro escolher o que já não gosto e/ou não me serve e dar essa roupa (porque acho sempre que hei-de voltar a gostar e que hei-de emagrecer). Precisava de uma Stacy e de um Clinton só por duas horas... Arghhhhh!!

 

De caminho, precisava de me atirar para as mãos do "meu" Renato e sair de lá outra, com um ar diferente, menos pesado, menos apagado, menos suburbano, menos brega.

 

Resumindo e baralhando: ir ao Chiado (como fui hoje) faz-me mal!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Apetece-me...

23.01.13

... tinta

 [Via]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Conto-te #6_A little bit dead

23.01.13

Minto-te todos os dias. Minto-te quando digo que ficarei contigo para sempre, que estarei ao teu lado quando chegar a hora do teu último suspiro. Não sei se serei capaz, por isso minto. A doença está a ceifar-te aos bocadinhos, mas já me matou. Eu não era esta pessoa fraca e pouco combativa. Eu olhava de frente para as coisas, agarrava bois por cornos afiados, enchia o peito e não recuava. Foi assim que me conheceste, duro, quase frio. Disseste, a dada altura, que te apaixonaste por mim porque sentiste que eu era o muro que nunca iria desabar à tua volta. Não imaginas como esta recordação me dilacera agora, que mal tenho forças para respirar.

Vejo-te cada vez mais apagada, cada vez mais distante. Há muito que desististe da luta que sabes não poder ganhar. Aceitaste que é disto que morrerás e rendeste-te. Aguardas pacientemente a morte, certa de que fizeste tudo o que podias e de que soubeste quando deitar a toalha ao chão.

Eu não sei lidar com isto. Não consigo imaginar que daqui a uns meses (ou talvez apenas daqui a alguns dias) não vais estar aqui. Não imagino o momento em que me darão a notícia. Não imagino os meus dias sem a correria para o hospital, para te abraçar e para ganhar forças contigo.

Nunca me viste chorar. Viste-me zangado quando me disseste que era o fim e que só te restava esperar. Ao pé de ti continuo a ser o rochedo inquebrável. Mas eu já não sou essa pessoa. E minto-te, não para te dar a força que já não tens, mas para que não vejas a pessoa em que me tornei. És tu que tens os dias contados, que estás numa estrada sem saída. Mas sou eu que estou morto por dentro, que perdi a coragem, que me deixei vencer. Não quero que conheças este lado fraco e quebradiço. Não quero que te desiludas comigo. Quero que leves contigo a memória dos dias em que eu não precisava de mentir e em que era mesmo a fortaleza em que podias apoiar-te sem medo. Hoje já não sou nada disso. Hoje, mesmo vivo e saudável, estou mais morto do que tu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2

23.01.13

O meu crianço mais pequeno fez dois anos. E, em jeito de presente, apanhou uma constipação épica. Para colorir ainda mais a coisa, o dia de anos dele foi aquele dia em que o IC19 esteve cortado a manhã quase toda. E era o dia da consulta com o pediatra. Era. Porque, depois de termos demorado uma hora e meia para andar sete quilómetros, desisti, dei a volta ao cabvalo e demorei cinco minutos a fazer os sete quilómetros de volta. Entretanto a constipação piorou, o que calha mesmo bem, visto que remarquei a consulta para amanhã.

 

Mas, bom, dois anos. Frases complexas, raciocínios lógicos e claríssimos, cortesia da irmã que puxa mesmo muito por ele. Conta até dez com algumas omissões avulsas. Não reconhece as cores. Reconhece tudo o que é bicharada. Adora livros. Conhece a família toda (a mais chegada, vá). Tem uma paixão assolapada pela Lia. Tem outra paixão assolapada pelo Mário e pela Joana (padrinho da irmã e respectiva senhora). É meigo e doce e urra como um jogador de rugby da selecção neozelandesa. É teimoso. Muito teimoso. É lindo. Igual ao pai. É nosso... há dois anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pick me...

16.01.13

O "cravanço" de votos para o concurso do Aventar faz-me lembrar muito o burro do Shrek... Uma data de gente a implorar votos soa-me sempre ao apelo desesperado "pick me" Pick me!"...

Autoria e outros dados (tags, etc)

London calling

15.01.13

Ontem, graças ao post da Me, fui vasculhar o baú de recordações da minha viagem a Londres. Está quase a fazer três anos... E foi, se não estou em erro, a última vez que entrei num avião (saudades de voar: muitas!). Fiquei com muita vontade de regressar a Londres. Muita mesmo. Um dia destes (daqui a uns dois anos, talvez!), voltamos àquele sítio de que gostámos tanto e onde poderíamos, de certeza, viver.

 

[E, de caminho, voltou a vontade de viajar: NY, Paris, Roma, Amesterdão, Istanbul, Marraquexe, Casablanca, Cairo, Kyoto...]

 

[Euromilhões, babe, podes vir!!]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Básico

15.01.13

Eu sou um bocadinho 8 ou 80. Meias tintas não são muito a minha praia. Sou um bocado tudo ou nada.

 

Maquilhagem: ou me pinto ou não me pinto. Ou uso a tralha toda (base, pó, blush, sombra, eyeliner, rímel) ou não uso nada. Hoje, porém, reduzi ao básico: blush e rímel. E gostei do resultado! Fiquei mais bem disposta e tudo!

 

Ah, e o facto de ter finalmente voltado ao meu ritmo ajudou certamente. Ontem deitei-me à uma da manhã. Acordei às seis e meia, fiquei na ronha até às sete. Levantei-me e fui passar a ferro até às oito, hora da alvorada infantil cá de casa. Estranhamente, não tenho sono. Mas sei que logo à noite tombo mais cedo, pelo que a alvorada de amanhã vai custar ainda menos.

 

Posto isto... Bom dia!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Come Along #16

14.01.13

Um blog: Quem sai aos seus

 

Um texto: Este, da Sophia, no Danos Colaterais

 

Um livro: "Este é o Meu Corpo", Filipa Melo

 

Uma citação:

 

Um filme: "Um Casamento Atribulado", de Alan Cumming e Jennifer Jason Leigh

 

Uma música: "Eyes Closed", The Narrative

 

Uma receita: Sopa de Alface

 

Uma imagem: Barcelona

 

Uma ideia: Cartões para ensinar miúdos a coser

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Pépa, a Samsung, a SIC, a mala e esta coisa do marketing e dos blogs

14.01.13

A Pépa tem um sonho de consumo. Aparentemente, tem um sonho de consumo desfasado da realidade que se vive no país a que calha pertecer. A Samsung achou por bem dar voz ao sonho de consumo da Pépa. O sonho da Pépa é ter dinheiro para comprar uma mala que, por alto, custa 3000 euros. A SIC achou por bem levar a Pépa ao jornal da noite de sábado para esmiúçar a história da mala. Vamos por partes.

 

A Pépa (que nunca vi mais gorda, nem faço questão nenhuma de) é uma miúda de 25 anos que tem um blog de moda (que não leio e que não vou passar a ler - da mesma forma que não leio nenhum outro blog de moda). Por causa disso, a Samsung, conduzida sabe-se lá por que marketeer, resolveu que era boa ideia convidá-la (a ela e a mais quatro pessoas que escrevem blogs de moda) para fazer um vídeo a falar do seu ano de 2012 e dos seus desejos para 2013. E a Pépa, que quer projectos para o seu blog e parcerias e coiso, aceitou o convite, abriu a porta da casa dela, plantou-se ao lado da lareira e vai de desfiar o ano de 2012 e os desejos para 2013. A coisa correu mal e a Samsung retirou os vídeos. A SIC achou que tudo isto era notícia e levou a rapariga lá ao telejornal, para falar da história.

 

Se o vídeo me chocou? Não propriamente. Mas achei idiota. Achei idiota, não o desejo da Pépa em si, mas o facto de a Samsung ter achado boa ideia associar-se a esta gente para se promover. As marcas devem, a meu ver, ter muito cuidado na selecção das pessoas com que se envolvem. Porque um blogger não é um funcionário da Samsung e não está, necessariamente, no mesmo comprimento de onda que a marca. Foi o caso. Tanto quanto me é dado a perceber, o nicho "bloggers de moda" não representa em nada a Samsung. A ideia é o quê? Passar uma imagem elitista? Se é, mega tiro no pé. Uma marca destas, ao assumir-se assim, anula uma série de outros nichos de mercado. Perigoso, diria eu.

 

Até que ponto é que um blogger de moda, seja ele quem for, representa uma marca deste género? Não representa, acho.

 

O meu exemplo em concreto: eu nunca poderia representar uma marca destas (nem outras, mas já lá vamos) porque o meu blog é pequeno, chega a pouca gente, não é comercialmente interessante para isso. A que tipo de marcas poderia associar-me? A uma ou outra marca de coisas para criança (uma Zippy - e daí para baixo em termos de posicionamento/preço), a editoras comuns (uma Presença, por exemplo) e pouco mais. Porque é que eu nunca poderia associar-me a marcas premium? Porque eu não sou assim. Eu não uso coisas premium. Eu não compro roupinha-de-ir-à-missa para os meus filhos. Eu não uso a última tecnologia. Eu não uso maquilhagem cara. Eu, enquanto espaço publicitário, simplesmente não sou apetecível - nem pretendo ser, bem entendido.Eu nunca poderia representar bem uma coisa que não sou. Simples.

 

O grande erro aqui foi da Samsung, que se associou às pessoas erradas e depois, quando a coisa deu para o torto, eliminou o que havia a eliminar e continuou a sua vidinha. Não se manteve ao lado de quem convidou. Porquê? Porque não se quis afundar com a Pépa. Foi o capitão o primeiro a abandonar o navio.

 

A SIC agarrou na rapariga e meteu-a frente a frente com a Maria João Ruela que, num tom paternalista, a tentou levar a retractar-se do que tinha dito. A rapariga afundou-se ainda mais, porque foi levada a isso. A forma como a entrevista foi conduzida atesta uma emenda que é pior do que o soneto, assim a léguas. Dizia a jornalista que a Pépa foi vítima de cyber-bullying. Talvez. Mas não houve ninguém de direito que tenha vindo a público defender a rapariga e assumir a sua quota parte. Diz ela que o vídeo é o resultado de uma gravação de duas horas. A edição dessas duas horas terminou naqueles dois minutos e meio de conversa. E temos mais um que atirou achas para a fogueira: a pessoa que criou o conceito dos vídeos (e que também tem um blog de moda e que também fez um vídeo) terá - digo eu - alguma responsabilidade sobre a edição da peça. E a Samsung aprovou os videos, razão mais do que suficiente para defender a sua dama até ao fim. Não o fez e atirou a Pépa aos lobos.

 

Continuo a achar que o sonho da Pépa é um sonho de uma realidade paralela qualquer. Mais ainda depois de, na entrevista à SIC, a rapariga ter dito que a família está a sentir a crise, que ela própria sente a crise mas, ainda assim, quer muito comprar a mala (ou carteira ou bolsa ou bag ou handbag ou seja lá qual for o termo fashionably correct para isto). Parece-me alienada do que por aqui se vive, mas é problema dela. E da Samsung, embora ache que a Samsung ainda não percebeu isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A sério...

09.01.13

... há coisas que me deixam boquiaberta. Tenho que fazer um template de PowerPoint. O tempo que o designer demorou a desenhar uma imagem com a explicação do que quer e com as medidas todas direitinhas tinha dado e sobrado para fazer a porcaria do template. Designers com medo do PowerPoint... really???

Autoria e outros dados (tags, etc)

Serviço público

09.01.13

"Caso hajam pessoas suficientes..."

"Se houverem dúvidas..."

"Houveram alturas em que me senti mal..."

 

Tudo errado. Tudo.

 

O verbo haver, no sentido de existir, é impessoal (ou seja, não tem sujeito), pelo que aparece sempre, SEMPRE na terceira pessoa do singular. A forma correcta é...

 

"Caso HAJA pessoas suficientes..."

"Se HOUVER dúvidas..."

"HOUVE alturas em que me senti mal..."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

De como o Brasil uniu o mundo

08.01.13

Talvez o título deste post seja um exagero. Talvez.

 

Bom, aqui no meu gueto existe um café gerido por um casal brasileiro. Coisa calma, boa onda. Peca por ser espaço aberto a fumadores, o que justifica a minha fraca presença por lá. Vou lá beber um café a espaços, quando calha, raramente. Senhor marido, por força do futebol emitido na SporTV, é um bocadinho mais assíduo. Filhos lindos amam o ritual de ir com o pai ao Eric, como eles dizes. Têm rédea solta na rua (devidamente supervisionados, obviamente), comem ovos kinder - um paraíso, portanto.

 

O dito casal tem um filha em comum. E ele tem um filho de outra relação e ela tem mais dois filhos de outra relação. A miúda, nascida já em reinado tuga (não obstante ter ido fazer a premiére ao Brasil) é um doce. E fez um ano no fim de Dezembro. E brasileiro que se preze gosta é de festa. Vai daí, organizaram a maior festança para a pimpolha. Tudo de Minnie Mouse, aniversariante incluída (não sei como escapou às orelhas de Minnie - tem,i o pior!). Convidaram o gueto bairro em peso e lá fomos. A festa foi num armazém que serve para isso mesmo: para festas. Três insufláveis gigantes, uma mega estrutura "trepável", com três andares (daqueles labirintos onde os miúdos se perdem e sobem e descem e gastam energias acumuladas, aleluia). Mesas e cadeiras, comida e bebida, uns 40 adultos e umas 20 crianças. Só do meu prédio estavam 4 casas. O resto dos convidados era conhecido aqui da rua.

 

E esta gente toda, que mal se conhecia e não trocava mais do que os cordiais cumprimentos de quem se cruza diariamente mas não é íntimo nem pretende ser, conviveu, conversou, conheceu-se um bocadinho melhor. Mérito de quem? Dos brasileiros que vieram do lado de lá do oceano para dar a esta rua um bocadinho daquele sentimento antigo de boa vizinhança e amizade entre vizinhos. Gostei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Querem um livro mesmo bom? Tomem dois!

07.01.13
Antes de mais, um pequeno preâmbulo: se gostam de ler e não conhecem o GoodReads, espreitem. Se gostam de ler e conhecem mas ainda não se inscreveram, inscrevam-se. Se já se inscreveram mas não usam, passem a usar. É bom! Muito do que conheci este ano foi graças ao GoodReads. Nomeadamente estes dois livros que se seguem. Avancemos.



Foi no GoodReads que vi alguém avaliar este livro. Sendo um policial, despertou-me curiosidade. (Mais um preâmbulo: se ainda não perceberam, eu esclareço: o policial e o romance histórico são os meus dois géneros literários preferidos. Porquê? O primeiro porque me ensina muito acerca da psique humana, da forma de pensar e agir, porque expõe idiossincrasias várias e porque me prova o brilhantismo de algumas mentes. O romance histórico porque, sendo bem escrito e, principalmente, estando bem documentado, é uma valente lição de história, que sempre foi uma das minhas áreas de estudo preferidas. Nota: dificilmente me verão a ler romances-romances, daqueles da treta, tipo Nicholas Sparks e Nora Roberts. Não tenho a mínima paciência para histórias de amor previsíveis, básicas e ocas. Mas é defeito meu, que sou a pessoa menos romântica que deus nosso senhor botou cá em baixo. Fim de preâmbulo. Avancemos). Portanto, dizia eu: curiosidade acesa e toca de ir comprar o livro para o marido me oferecer no Natal. Li-o em 4 dias e não o conseguia pousar. Acontece que a tradução é uma valente mer... porcaria, coisa que atrasou a leitura. Mas a história, o enredo, os "quem" e os "porquê" são fabulosos. Claro que, acabando de ler isto, tratei de me atirar de cabeça ao segundo livro do senhor...



Este livro é assim qualquer coisa de fenomenal. Gostei ainda mais do que do "Sopro do Mal". A escrita do autor é escorreita, cinematográfica, e não me custa nada imaginar estes dois livros transformados em filmes. A trama está cheia de twists bem estruturados, não há pontas soltas, no fim tudo se encaixa e se esclarece. E, tirando uma ou outra gralha de tradução/revisão (um parágrafo repetido a meio do livro, por exemplo), pouco há a apontar. Para quem gosta de policiais, é um livro "obrigatório". Para quem não gosta, fica o desafio...!


(Ah, e já agora, nota máxima para a capa d'"O Tribunal das Almas"!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Mantra para 2013

07.01.13

Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio... Não te baldarás ao ginásio...

 

[Hoje não me baldei. Sábado não me baldei. Mas baldei-me muito tempo antes disso, razão pela qual tenho as pernas a arder e a gritar de dor...]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assapar!

07.01.13

Lembram-se das minhas crónicas no Sapo?

 

Mudaram de charco! Agora estão aqui!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ler para e com miúdos #1

03.01.13

A biblioteca dos meus filhos já tem um tamanho considerável. Entre compras minhas - que prefiro dar-lhes livros a brinquedos - e presentes, a escolha já é grande. Ainda assim, trazemos muitos livros da biblioteca, que é um hábito que já está incutido na miúda e que quero incutir no pequenito também, assim que ele seja miúdo para estar mais de 5 minutos sossegado e sem fazer barulho. Estes dois livros foram trazidos da biblioteca e têm feito as delícias dos dois princesos cá de casa.

 

"A Zebra Zezé", de Alberto Faria com ilustração de Ana Ventura
(Texto Editores, 2010)
Este livro fala da diferença. Uma zebra que não reconhece os pais pelas riscas e que acaba sempre ao pé de outras zebras... porque é estrábica. A minha filha, que usa óculos há dois anos, identificou-se logo com a Zezé (embora não seja estrábica como a zebra), e percebeu que não faz mal nenhum ser diferente e precisar de "aparelhos" para corrigir estas diferenças. É um livro divertido, bem escrito, com ilustrações muito giras. Tornou-se um all-time-favorite e já veio várias vezes da biblioteca.
"Beijinhos Não Dou", de Julia Jarman, com ilustração de Erica-Jane Waters
(Dinalivro, 2008)
Este livro tem uma ilustração fantástica, cheia de vida. Fala de um menino muito forte e independente, que detesta beijos porque... ninguém dá beijos como a mãe. Gostámos muito!

Autoria e outros dados (tags, etc)

E ao segundo dia deste ano a estrear...

03.01.13

... levei a miúda às vacinas. Lembram-se disto? Pois... A miúda já sabia ao que ia, estava (achava ela!) mentalizada. Chegou lá armada em valente. A enfermeira perguntou se queria levar as vacinas sentada no banco ou ao colo da mãe. A princesa valentona disse logo que queria ficar no banco. Qual colo da mãe, qual quê? Sentou-se, despi-a. A enfermeira aproximou a agulha, tocou-lhe no braço e ela abre uma guincharia épica, puxa o braço e nada de vacina. Segunda tentativa com ela já a tremer. Mesma reacção. Lá a sentei no colo, prendi-lhe as pernas e os braços, fui-lhe soprando para a cara e lá levou a primeira vacina, com muitos gritos e muito choro. Segunda vacina, idem. No fim lá se acalmou e a coisa passou.

 

Seguimos para Oeiras. Tínhamos que ir devolver uns livros à biblioteca. Aproveitávamos e íamos ao cabeleireiro dar um desbaste no cabelo dela (não fomos porque o "meu" Renato tinha o estaminé fechado). Já que estávamos perto comíamos qualquer coisa pela praia. Começámos por aqui. Fomos à praia de Paço d'Arcos, comemos num cafezinho-de-praia. Hamburguer para ela, salada de atum para mim (não vos disse: estou em dieta... há cinco anos!). Como estava um sol fabuloso descemos até à areia. Ela brincou por ali enquanto eu li umas páginas do meu livro. Depois fomos à biblioteca. Trabalhei, escolhi livros para ela e para mim, brincámos, ela fez-se leitora (toda orgulhosa com o seu cartão!).

 

Óptima maneira de começar o ano. A repetir, sem dúvida!!

 

[E sugestões de livros infantis que tenho descoberto, querem?]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entrar em 2013

03.01.13

Não vos contei: vinte e três e cinquenta e nove, marido abeira-se de mim com a garrafa de espumante na mão, para o tradicional primeiro-beijo-do-ano. Meia-noite, beijo e o marido abre a garrafa encostada ao meu ouvido.

 

Portanto, a minha palavra de 2013 foi

 

Foda-se!!

 

(Começámos bem. Com estilo... seja lá o que isso for!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

... e por falar em roupa...

03.01.13

(o tal assunto de que eu NUNCA falo... cof cof...)

 

A MIM ofereceu à minha gaiata uma túnica. Gira, óptima para a primavera que aí vem. A gaiata viu, gostou e agradeceu. A mãe da gaiata viu, gostou e aqui, publicamente, agradece.

 

Obrigada, Marta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Coisas de que não gostava em 2012 e de que continuo a não gostar agora

03.01.13

Meninas pequeninas vestidas com roupinha-de-ir-à-missa, muito preppy, muito chique, muito "ouça lá".

 

Prefiro, de longe, princesas-tractor: jeans, ténis/botas/sabrinas, camisolas de malha/algodão, um casaco giro e quentinho.

 

[Eu e a minha visão "pequenina" da moda... enfim...]

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

03.01.13

Vocês, que aqui perdem tempo de vez em quando, já sabem que isto não tem propriamente uma linha editorial definida. Não há assuntos exclusivos nem assutos tabu. Sabem que há por aqui o Come Along, sabem que há (desde há pouco tempo) um micro-conto semanal, sabem que falo desta coisa da maternidade sem, contudo particularizar muito nos meus filhos (cujas identidades e privacidades tenciono manter resguardadas - porque eles têm uma vida, que não é minha, e eu não tenho o direito de as expor para lá de certos limites... É por isto também que não ponho fotos deles em lado nenhum - fotos onde se vejam as caras deles, bem entedido. Porque a vaidade que sinto neles - que são lindos - ainda não engoliu o discernimento). Sabem que comento livros e filmes e séries. Sabem que conto peripécias que me acontecem de vez em quando. Sabem que falo de tudo e de nada. Não falo por aí além de roupa nem de maquilhagem porque não são temas que me interessem (embora me vista todos os dias e me maquilhe amiúde). Falo de culinária porque, feliz ou infelizmente, adoro cozinhar e de vez em quando a coisa corre bem.

 

No fundo, gosto mesmo é desta coisa da partilha. Partilhar dicas, conhecimentos, aprendizagens, formas de fazer, experiências. Aprender partilhando e aprender absorvendo o que se partilha noutros blogs.

 

Posto isto, a minha pergunta é: que temas gostariam de ver falados por aqui? De que temas estão fartos? O que é que sentem que falta aqui? Com o que é que já não aguentam?

 

Por favor, digam de vossa justiça. Os comentários não têm verificações manhosas, por isso é só mesmo clicar ali em baixo e escrever uma palavrinhas. Ajudam-me? Sim? Muito, muito agradecida!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

nsf january pic

02.01.13

Novo mês, nova lista de temas para mais um mês retratado em fotos. A tag no Instagram é #nsfjanuarypic. Quem se junta?

1_blue
2_black
3_amber
4_white
5_yellow
6_green
7_pink
8_red
9_open
10_safe
11_wet
12_chain
13_bless
14_blossom
15_bliss
16_bling
17_dark
18_lame
19_hot
20_cold
21_joy
22_same
23_move
24_still
25_boss
26_cook
27_wait
28_link
29_button
30_sparkle
31_man

 

Adenda: isto é um passatempo. Ninguém é obrigado a fotografar todos os dias, nem a responder a todos os temas. Fotografamos quando podemos, quando queremos, quando achamos que sim. Toda a gente é bem-vinda ao passatempo... tem sido um prazer descobrir as vossas inspirações! A ideia é só uma: divertirmo-nos! Let's do it!

 

(O uso do Instagram não é obrigatório. Serve apenas de "facilitador". Se preferirem, podem fotografar e partilhar as fotos nos vossos blogs ou contas do Facebook.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Casa dos segredos 20

02.01.13

A minha filha tem visto a Casa dos Segredos. Ela, dotada de memória de elefante, rapidamente decorou o nome daquela gente toda. Às tantas resolve dizer que quer ir para a Casa dos Segredos um dia, quando for maior.

 

Entretanto, na TV, mais um resumo qualquer, com cenas daquelas típicas de gente tonta. Filha linda olha atentamente para aquilo. Pai querido vira-se de repente, de cenho fechado, e pergunta:

 

 

- É isto que tu queres fazer da vida, Gervásia*??



[Foi a minha maior gargalhada de 2012!]

 

*Nome alterado para protecção da identidade da interveniente...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Breve resumo do final do ano que acabou anteontem

02.01.13

Dia 23. Dia de ir para a terrinha. Mãe (eu) a arrumar a tralha para levar. Filhos e marido a cirandar/ajudar. Mãe abre a porta de um roupeiro que fica junto à casa de banho. Baixa-se para tirar umas roupas para levar. Filho pequeno atrás da porta é subitamente acomedido de uma enorme vontade de sair dali. Atira com a porta. Parafuso do puxador ao nível da cabeça da mãe. Parafuso enterra-se na cabeça da mãe. Sangue por todo o lado. Mãe sem se conseguir mexer (porque a pancada foi de tal maneira que mãe deu um jeito brutal ao pescoço). Marido, que tinha perguntado há pouco tempo se estariam prontos dali a uma hora, constata que terá que alterar os planos. Casal leva filhos a casa dos avós maternos e segue para o Centro de Saúde. Mãe com um pano ensanguentado a estancar a hemorragia. Entrada directa para o gabinete de enfermagem. Devido aos cortes da Saúde, o Centro não dispõe de material de sutura. Enfermeira barra a ferrida com cola. Segura tudo com uns pensos. Instrui a mãe para que não molhe a cabeça durante dois dias (por sorte - e asseio! - a mãe tinha acabado de tomar banho antes da efeméride). Casal recolhe os filhos, segue para casa, termina as preparações e segue para a terrinha com três horas de atraso. 

 

Resumo: filho de 21 meses parte a cabeça à mãe.

 

Resto da semana: tranquila. Entre leituras, jogos, sestas e muito (muito, muito, muito!) frio, foi uma semana óptima.

 

Regresso na antevéspera de Ano Novo. Uma casa virada de pernas para o ar que ainda não se endireitou (mas para lá caminha). E é isto...

 

Feliz 2013, gente!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pág. 2/2




Pesquisar

Pesquisar no Blog  








Para vocês





Partners







WOOK - www.wook.pt












Eu e os Livros

2013 Reading Challenge

2013 Reading Challenge
Lénia has read 2 books toward a goal of 30 books.
hide

Follow me!






Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D